Menus Paginas

Há 151 anos, dia 13 de Dezembro de 1867 população de Campo Maior faz greve geral




Há precisamente 151 anos, a população de Campo Maior insurgiu-se contra uma decisão que extinguia o concelho e o anexava ao concelho de Elvas. Actualmente, e em memória desse facto, existe uma rua na vila precisamente com o nome de Rua 13 de Dezembro (Antiga Rua da Fonte de Cima, conhecida como A Canada). Este é um episódio da História de Campo Maior que o Campomaiornews aqui quer relembrar.

História da Vila de Campo Maior

Origem do nome: A lenda diz que a povoação foi fundada por vários chefes de família que viviam dispersos no campo e resolveram agrupar-se para uma maior protecção. Descobrindo um espaço aberto, um diz para os outros: "Aqui o campo é maior".Vestígios de proveniência diversa permitem concluir que o actual território do concelho de Campo Maior foi habitado desde a época Pré-Histórica.
Certamente foi uma Povoação Romana, dominada por Mouros durante meio milénio e conquistada por cavaleiros cristãos da família Pérez de Badajoz em 1219, que posteriormente ofereceram a aldeia pertencente ao concelho de Badajoz à Igreja de Santa Maria do Castelo.
Em 31 de Maio de 1255, D. Afonso X, rei de Leão, eleva-a a Vila.
O Senhor da Vila, o Bispo D. Frei Pedro Pérez concede, em 1260, o primeiro foral aos seus moradores assim como o seguinte brasão de armas : N. Sr.ª com um cordeiro, e a legenda “Sigillum Capituli Pacensis”.
Em 31 de Maio de 1297, através do Tratado de Paz de Alcanizes assinado em Castela por D. Fernando IV, rei de Leão e Castela e D. Dinis, passa a fazer parte de Portugal, juntamente com Olivença e Ouguela.
Campo Maior vai pertencer sucessivamente a D. Branca, irmã de D. Dinis, em 1301 ; a D. Afonso Sanches, filho ilegítimo do mesmo rei, em 1312 ; e novamente ao rei D. Dinis em 1318.
O seu castelo que se ergue a leste da vila foi reedificado por D. Dinis em 1310, e foi no século XVII e XVIII que se levantaram fortificações tornando Campo Maior numa importante praça forte de Portugal.
Como reflexo da influência castelhana em Campo Maior, durante a Revolução de 1383-85, a guarnição militar e os habitantes da vila colocam-se ao lado do rei de Castela, tornando-se necessário que o Rei D. João I de Portugal e D. Nuno Álvares Pereira se desloquem propositadamente ao Alentejo com os seus exércitos para a cercarem durante mais de um mês e meio e ocuparem pela força, em fins de 1388.
D. João II deu-lhe novo brasão: um escudo branco, tendo as armas de Portugal de um lado, e de outro S. João Baptista, patrono da vila.
Em 1512, o rei D. Manuel I concede foral à vila de Campo Maior.
Desde os fins do Século XV, muitos dos perseguidos pela Inquisição em Castela refugiam-se em Portugal. A população de Campo Maior vai aumentar substancialmente à custa da fixação de residência de muitos desses foragidos.
A comunidade judaica ou rotulada como tal era tão numerosa na vila no Século XVI que nas listas dos apresentados em autos de fé realizados em Évora pela Inquisição, Campo Maior aparece entre as terras do Alentejo com maior número de acusados de judaísmo.
A guerra com Castela a partir de 1640 vai produzir as primeiras grandes transformações. 
A necessidade de fortificar a vila que durante os três últimos séculos se desenvolvera acentuadamente para fora da cerca medieval, a urgência em construir uma nova cintura amuralhada para defesa dos moradores da vila nova dos ataques dos exércitos castelhanos, vai obrigar o rei a enviar quantias avultadas em dinheiro, engenheiros militares, operários especializados e empregar um numeroso contingente de pessoal não qualificado. Os contingentes militares são então numerosos. Calcula-se que na Segunda metade do Século XVII, em cada quatro pessoas residentes na vila, uma era militar. Campo Maior foi, durante algum tempo quartel principal das tropas mercenárias holandesas destacadas para o Alentejo. A vila torna-se naquele tempo o mais importante centro militar do Alentejo, depois de Elvas.
Em 1712, o Castelo de Campo Maior vê-se cercado por um grande exército espanhol comandado pelo Marquês de Bay, o qual durante 36 dias lança sobre a vila toneladas de bombas e metralha, tendo conseguido abrir uma brecha num dos baluartes; o invasor ao pretender entrar por aí, sofre pesadas baixas que o obrigam a levantar o cerco.
No dia 16 de Setembro de 1732, pelas três da manhã, desencadeia uma violenta trovoada, o paiol, contendo 6000 arrobas de pólvora e 5000 munições, situado na torre grande do castelo é atingido por um raio, desencadeando de imediato uma violenta explosão e um incêndio que arrastou consigo cerca de dois terços da população.
D. João V determina a rápida reconstrução do castelo. A vila vai erguer-se lentamente das ruínas e aos poucos refazer-se para voltar a ocupar o lugar de primeira linha nos momentos de guerra e de local de trocas comerciais e relacionamento pacífico com os povos vizinhos de Espanha, nos tempos de paz.
No Século XVIII termina a construção das actuais Igrejas da Misericórdia e da Matriz, e lança-se a primeira pedra para a fundação da Igreja de S. João. A vila que até então só tivera uma freguesia urbana é dividida nas duas actuais, Nossa Senhora da Expectação e São João Baptista, em 1766.
Os primeiros anos do Século XIX são em Campo Maior de grande agitação. Um cerco, em 1801, pelos espanhóis e uma revolução local, em 1808, contra os franceses que então invadiram Portugal o comprovam.
A sublevação campomaiorense contra a ocupação napoleónica vai sair vitoriosa devido ao apoio do exército de Badajoz que permanece na vila durante cerca de três anos.
Em 1811 surge uma nova invasão francesa que fez um cerco cerrado durante um mês à vila, obrigando-a a capitular. Mas a sua resistência foi tal que deu tempo a que chegassem os reforços luso-britânicos sob o comando de Beresford, que põe os franceses em debandada, tendo então a vila ganho o título de Vila Leal e Valorosa, título este presente no actual brasão da vila.
As lutas entre liberais e absolutistas em Campo Maior são também acontecimentos assinaláveis.
A «cólera morbis» mata, em 1865, durante cerca de dois meses e meio, uma média de duas pessoas por dia.

Em 1867, tentam extinguir Campo Maior como sede de concelho, agregando-lhe Ouguela e anexando-o ao concelho de Elvas. Tal decisão provoca um levantamento colectivo da povoação, que em 13 de Dezembro, entra numa verdadeira greve geral.

O concelho é definitivamente acrescido da sua única freguesia rural, em 1926 – Nossa Senhora dos Degolados.

Campo Maior não escapou às rajadas de vento que provocaram quedas de árvores de madrugada

Foto: Linhas de Elvas

As fortes rajadas de vento sentidas durante a madrugada e ao início da manhã desta quinta-feira, 13 de Dezembro, provocaram a queda de árvores em vários pontos do distrito, entre os quais nos concelhos do Elvas, Campo Maior, Crato e Marvão.
Em Campo Maior, duas árvores de grande porte caíram com a força do vento, uma na estrada EN373, à entrada da vila,  e outra na estrada Campo Maior-Badajoz. De acordo com informação obtida junto dos Bombeiros de Campo Maior, as ocorrências tiveram lugar cerca de 5H40 da madrugada de hoje, para as quais foram destacas uma viatura e dois operacionais. As árvores foram cortadas e retiradas e a circulação nas referidas estradas não chegou a ser afectada.
Em Elvas, no Parque da Shell, alguns troncos de árvores de grande porte caíram, no entanto, sem causar quaisquer danos materiais em viaturas. Na operação de remoção estiveram envolvidos os serviços do Município de Elvas e os bombeiros locais. As autoridades aproveitaram para cortar outras árvores que se encontravam podres.
No concelho do Crato, em Flor da Rosa e Vale do Peso, também de registou a queda de uma árvore e para esta ocorrência foram mobilizados quatro operacionais e duas viaturas. Em Marvão, na freguesia de São Salvador da Aramenha, o vento deitou por terra uma árvore e no local estiveram cinco operacionais apoiados por duas viaturas.

GNR realiza a operação “Comércio Seguro” no período de 14 a 24 de Dezembro


A Guarda Nacional Republicana (GNR), na sua área de responsabilidade, durante o período de 14 a 24 de Dezembro, realiza a operação “Comércio Seguro”, com o objectivo de garantir a segurança dos comerciantes e clientes, fruto do aumento de fluxo de pessoas em espaços e áreas de comércio, que tradicionalmente caracteriza esta época natalícia.
Durante a operação serão empenhados militares das Secções de Prevenção Criminal e Policiamento Comunitário (SPC), militares da estrutura de Investigação Criminal e militares dos Postos Territoriais,que realizarão ainda acções de sensibilização junto de comerciantes, através da distribuição de folhetos, alertando-os sobre os procedimentos de segurança a adoptar, com o intuito de evitar que sejam alvo de ilícitos criminais.

Será ainda reforçado o patrulhamento nas zonas de comércio, com o objectivo de aumentar o sentimento de segurança dos lojistas e clientes, considerando que nesta época existe um aumento significativo de transacções monetárias.

Aos comerciantes, a GNR aconselha:

· Tenha as entradas/saídas do estabelecimento bem iluminadas;
· Antes de fechar o estabelecimento, verifique se as portas e janelas estão devidamente fechadas;
· Não tenha grandes quantidades de dinheiro no interior do estabelecimento;
· Não tenha uma rotina para a realização dos depósitos bancários;
· Tenha sempre disponível o contacto telefónico da GNR da sua área do estabelecimento;
· Em caso de assalto mantenha a calma, não reaja, memorize os traços fisionómicos do assaltante, a roupa que o mesmo vestia e a direcção de fuga, contactando de imediato a GNR.

Aos compradores/clientes, a GNR aconselha:

· Evite trazer consigo grandes quantias de dinheiro e objectos de valor;
· Numa rua movimentada leve a sua mala de mão ou pasta do lado oposto à berma, mantendo-se junto dos edifícios;
· Evite circular em locais isolados e pouco iluminados;
· Em caso de um encontrão com alguém, verifique se a carteira, o telemóvel e os restantes objetos de valor continuam consigo.

Patrulhas a cavalo reforçam policiamento da operação "Campo Seguro" em Portalegre

O Comando Territorial de Portalegre, com o apoio da Unidade de Segurança e Honras de Estado, reforçou o policiamento no âmbito da Operação “Campo Seguro”, com o lançamento de patrulhas a cavalo, no distrito de Portalegre.
Este reforço de patrulhas a cavalo em áreas florestais e explorações agrícolas contribui para a prevenção de ocorrência de crimes, nomeadamente de furtos de metais não preciosos, equipamentos agrícolas e o furto dos próprios cultivos. Complementarmente, foram realizadas acções de sensibilização direccionadas aos proprietários de olivais e de lagares, com o intuito de evitar possíveis furtos de azeitona.
As ações desenvolvidas no âmbito desta operação contribuem para melhorar o sentimento de segurança da população, sendo que as mesmas se irão prolongar até ao dia 31 de Janeiro de 2019.

Ilda Vinagre é a nova chef de cozinha no restaurante do complexo ADAENS, em Campo Maior


Dando continuidade a um percurso profissional de sucesso, em Portugal e no Brasil, Ilda Vinagre está de regresso às origens. A chef que conquistou duas estrelas Michelin por terras de Santa Cruz, está agora à frente da cozinha do restaurante ADAENS, no novo complexo turístico do Grupo Nabeiro-Delta Cafés.

Aos 63 anos de idade e com cerca de quatro décadas de dedicação à gastronomia, Ilda Vinagre é um nome de referência na arte de bem cozinhar. O seu currículo inclui as passagens pelo restaurante “A Bolota”, na freguesia elvense de Terrugem, Herdade do Esporão, no concelho de Reguengos, Bela Sintra e Chiado, estes dois últimos no Brasil e para cada um dos quais conquistou uma estrela Michelin.
Do lado de lá do Atlântico a fama da chef Ilda não parou de crescer, graças à sua mestria na reinvenção de pratos da gastronomia tradicional portuguesa. O regresso a Portugal aconteceu há dois anos para assumir a cozinha do restaurante S em Lisboa, e agora a chef Ilda aceitou o convite da Administração do Grupo Nabeiro-Delta Cafés para liderar o espaço de restauração do complexo turístico ADAENS, na Herdade dos Adães Novos, concelho de Campo Maior.
A sensivelmente 3 quilómetros da Adega Mayor, por entre vinhas, olivais e montado, a nova unidade estende-se por uma extensão de 400 hectares e está dotada de diversas infraestruturas de lazer familiar. Pernoitar numa antiga carruagem ou num bungalow adaptado a partir de uma pequena embarcação e visitar a melaria, a horta pedagógica e o Centro de Interpretação da Natureza, Mel e Biodiversidade, são apenas algumas das ofertas que se deparam os visitantes dos ADAENS, cuja inauguração oficial irá acontecer em breve.
 Para já, nesta fase de arranque, o restaurante ADAENS está aberto diariamente e proporciona uma experiência baseada nos sabores típicos do Alentejo. Ao mesmo tempo, está a ser preparada uma carta que reflectirá o compromisso entre a cozinha tradicional e o saber de experiência feito da chef Ilda Vinagre.

Projecto de Ampliação do Lar Santa Beatriz, da Santa Casa da Misericórdia, vai ser apresentado no Salão Nobre dos Paços do Concelho

Foto:Santa Casa da Misericórdia Campo Maior

Apresentação do Projecto de Arquitectura e Assinatura do Termo de Aceitação da Obra de Ampliação da Estrutura Residencial para Pessoas Idosas – Lar Santa Beatriz, da Santa Casa da Misericórdia de Campo Maior, vai decorrer no próximo dia 13 de Dezembro, pelas 15H30, no Salão Nobre dos Paços do Concelho de Campo Maior. 
Esta acção surge na sequência do protocolo assinado entre o Município de Campo Maior e a Santa Casa da Misericórdia de Campo Maior, para apoio logístico e financeiro com vista à ampliação da Estrutura Residencial para Pessoas Idosas, uma vez aprovada a candidatura do mesmo projeto.
Desta forma, a referida ERPI irá ser alvo de uma muito aguardada intervenção que irá requalificar o espaço e aumentar, em 10 lugares, a sua capacidade.
Esta ampliação visa melhorar as condições de conforto e bem-estar dos seus utentes, dando desta forma uma resposta eficaz à crescente solicitação de vagas, tendo ainda em conta a extensa lista de espera existente.
A capacidade actual desta ERPI é de 55 utentes e o seu aumento para 65 será conseguido através da reorganização do espaço existente, da construção de novos espaços e da ampliação de algumas áreas adicionais.
A obra pressupõe um investimento total de cerca de 882.352,94€, que será financiado a 85% (750.000,00€) pelo Programa Operacional Regional do Alentejo (ALENTEJO 2020), cabendo ao Município de Campo Maior assumir a contrapartida pública nacional de 132.352,94€.

Janeiro é mês AF Portalegre - 2019 arranca com grandes encontros no Alto Alentejo


Depois do sucesso que foi o Portugal-Espanha em Campo Maior, o Alto Alentejo prepara-se para receber mais jogos da selecção e Janeiro de 2019 vai ser sinónimo de grandes eventos da modalidade na região.
A festa começa logo entre os dias 4 e 6, nos concelhos de Fronteira e Monforte, que recebem um Torneio Interassociações de Futebol Feminino (Sub-17). Participam na competição as selecções das Associações de Futebol de Évora, Lisboa e Portalegre.
A cidade de Ponte de Sor, que, ainda há poucos dias, viu o Eléctrico Futebol Clube assegurar um lugar na Taça da Liga de Futsal, recebe, nos dias 15 e 16 de Janeiro, quatro jogos particulares que irão colocar frente a frente as selecções de futsal (Sub-17 e Sub-19) de Portugal e da Rússia.
Já na última semana do mês será Castelo de Vide a receber a selecção nacional de futebol Sub-19. A selecção, que, neste momento, detém o título de campeã da Europa, irá enfrentar por duas vezes a sua congénere de Cabo Verde, nos dias 28 e 30.
Um torneio interassociações, no qual participam as selecções de Évora e Lisboa, e a presença de seis selecções (três nacionais e três estrangeiras) em apenas um mês constituem “um momento importante para a história da AFP e para as modalidades no distrito de Portalegre” e representam “um claro reconhecimento da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) no trabalho da actual Direcção”.
“Este conjunto de jogos internacionais em Ponte de Sor e Castelo de Vide, associado ao torneio que se realiza em Fronteira e Monforte, é mais uma prova de confiança da FPF, que volta a apostar na nossa região para ser palco de grandes eventos, bem como dos municípios do Alto Alentejo, que reconhecem o nosso trabalho e caminham ao lado da AFP no desenvolvimento das modalidades”, refere o presidente da Direcção, Daniel Pina.


Convívio de Natal do Clube Coração Delta Academia de Ténis e Clube Escola Ténis de Elvas

O Clube Coração Delta Academia de Ténis e o Clube Escola de Ténis de Elvas, organizam um Convívio de Natal.
O convívio vai realizar-se nos dias 15 e 16 de Dezembro, nos Courts em Elvas.
Neste convívio haverá Torneios e jogos de ténis para jogadores iniciantes e também para jogadores já praticantes. 

Festas do Povo de Campo Maior no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial


Certame de Campo Maior espera também ter o reconhecido da UNESCO no próximo ano


A Direcção-Geral do património Cultural (DGPC) integrou as Festas do Povo de Campo Maior, também conhecidas como Festas das Flores, no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial.
A informação foi comunicada esta terça-feira, 11 de Dezembro em comunicado. Na justificação para esta decisão a DGCP alega a importância de que se reveste o certame enquanto “reflexo da identidade” da comunidade em que a tradição se originou e se pratica.
“Foram igualmente consideradas a produção e a reprodução efectivas que caracterizam esta manifestação do património cultural na actualidade, traduzida em práticas transmitidas intergeracionalmente no âmbito da comunidade de Campo Maior, com recurso privilegiado à oralidade”, refere o comunicado.
Ricardo Pinheiro, presidente da Câmara de Campo Maior, mostrou-se muito satisfeito com a decisão e disse que foi “dado mais um passo” para que o certame tenha a classificação da UNESCO, candidatura já apresentada ao organismo.
António Ceia da Silva, presidente da Entidade Regional de Turismo (ERT) do Alentejo e Ribatejo, também se manifestou de forma positiva quanto a esta medida por parte da DGPC.
“Podemos obter mais um ‘selo’, que é de grande reconhecimento por uma festa ímpar, única, que tem características muito interessantes do ponto de vista popular e que esperamos que seja Património da Humanidade”, disse, acrescentado que há fortes possibilidades de a UNESCO classificar o evento no próximo ano.
As Festas do Povo realizam-se de quatro em quatro anos. Em 2015 mais de sete mil voluntários integraram a preparação da festa.
Neste certame dezenas de ruas ficam decoradas com flores de papel.

Presépios de Alice Nabeiro e Tapeçarias de Portalegre no Centro de Ciência do Café


No passado domingo, dia 9 de Dezembro, o Centro de Ciência do Café (CCC), em Campo Maior, abriu as portas ao público a uma exposição inédita, original e de grande valor artístico: a Colecção particular de Presépios da D. Alice Nabeiro apresenta-se este ano emoldurada e em perfeita simbiose com as Tapeçarias de Portalegre.
Fica o convite para a visita até ao dia 7 de Janeiro de 2019, no horário habitual do CCC.

Um ferido ligeiro num despiste de viatura ligeira na EN 371 entre Campo Maior e o Retiro


Um ferido ligeiro foi o resultado de um despiste de uma viatura ligeira, junto à fronteira do Retiro, na EN 371, estrada que liga Campo Maior a Espanha, na Fronteira do Retiro.
De acordo com as informações do CDOS Portalegre, o alerta para o acidente foi dado pelas 17H40 de hoje, 10 de Dezembro. O ocupante do veículo, um indivíduo do sexo masculino, de 46 anos de idade, sofreu ferimentos ligeiros na sequência do despiste que capotou a viatura, e foi transportado para o Hospital de Elvas.
Para o local foram destacados 3 viaturas e 9 operacionais dos Bombeiros Voluntários de Campo Maior.

Filipe Alves conquista 1º lugar em Benjamins com a UF Degolados na 9ª posição por equipas



A equipa de atletismo da UF Degolados esteve, no passado Sábado, 8 de Dezembro, presente no 8º Corta Mato do Clube Elvense Natação, no Parque da Piedade. 
Com a equipa formada com 8 dos 16 atletas do clube, a UF Degolados conseguiu um bom resultado, com Filipe Alves a conquistar o 1º lugar nos 500 metros, no escalão de Benjamin B. Colectivamente foi alcançado o 9º lugar entre 20 equipas representadas nesta competição.
Fotos: João Carlos Correia


Presidente da Comissão Nacional da UNESCO agradado com requalificação das fortificações de Campo Maior


O Município de Campo Maior recebeu na manhã de hoje, dia 10 de Dezembro, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, do Presidente da Comissão Nacional da UNESCO, Embaixador José Filipe Moraes Cabral.
Esta visita serviu para dar a conhecer ao sr. Embaixador alguns dos projectos a decorrer actualmente em Campo Maior, nomeadamente o Projecto de Requalificação da Fortificação Abaluartada de Campo Maior.
José Filipe Moraes Cabral, Presidente da Comissão Nacional da UNESCO, mostrou-se agradado com o projecto de requalificação da fortificação abaluartada de Campo Maior. O também embaixador de Portugal em França, referiu que o “investimento está a ser feito da melhor maneira possível”.
“É algo exemplar e que está a ser feito com enorme rigor no quadro da perspectiva estratégica do desenvolvimento da região”, disse o diplomata após discussão sobre o projecto.

Presépios da Colecção de Alice Nabeiro em Exposição no Museu da Fotografia em Elvas

Fotomontagem: Campomaiornews

A Colecção de Presépios de Alice Nabeiro vai estar em Exposição no Museu Municipal de Fotografia João Carpinteiro, em Elvas, a partir de hoje, Domingo, dia 9 de Dezembro, até 30 de Janeiro, na sala de mostras temporárias do Museu. A inauguração contou com uma actuação da Academia de Dança Maria Abreu e um Concerto de Roncas.
Vão estar em exposição cerca de 30 da vasta colecção de Presépios da colecção particular de Alice Nabeiro, esposa do empresário campomaiorense Comendador Rui Nabeiro, englobam peças oriundas de várias partes do mundo e construídos com os mais diversos materiais.

"Natal Con'Vida", com várias iniciativas anima a quadra natalícia em Campo Maior


A segunda edição do Natal Con'Vida em Campo Maior teve início na tarde deste sábado, 8 de Dezembro, com o Presépio ao vivo e com uma actuação do Grupo as Roncas d'Elvas.
Durante todo o mês de Dezembro, e até dia 6 de Janeiro, o Jardim Municipal de Campo Maior é o centro da quadra natalícia, com a realização de várias iniciativas dinamizadas pelo Município de Campo Maior.
Com a realização vários mercados de Natal, a instalação de uma pista de gelo é outro das novidades e atractivos, com a abertura prevista para o próximo dia 18 de Dezembro.

Galeria de fotos


Procissão em Campo Maior assinalou o dia da Imaculada Conceição, padroeira de Portugal


Ontem, dia 8 de Dezembro, celebrou-se o dia da Imaculada Conceição. Em Campo Maior, para além da Solene Eucaristia transmitida em directo na Angelus TV, teve lugar a tradicional procissão, que percorreu as principais artérias da vila.
Neste dia de feriado nacional, invoca-se a vida e a virtude de Virgem Maria, mãe de Jesus, concebida sem marca do pecado original. É uma data de grande significado para a Igreja Católica.
Neste dia realiza-se uma festa religiosa que celebra um dogma católico definido como festa universal em 1476 pelo Papa Sisto IV. Pela sua importância, a data é feriado nacional.
Em 25 de Março de 1646, o Rei D. João IV organizou uma cerimónia solene, em Vila Viçosa, para agradecer a Nossa Senhora a Restauração da Independência de Portugal em relação a Espanha. Foi até à igreja de Nossa Senhora da Conceição, declarando-a padroeira e rainha de Portugal. Desde este dia, mais nenhum rei português usou coroa na cabeça, privilégio que estaria disponível apenas para a Imaculada Conceição.

Celebra-se hoje o dia da Imaculada Conceição padroeira de Portugal, com Missa, Procissão e Serenata em Campo Maior

Hoje, dia 8 de Dezembro, celebra-se o dia da Imaculada Conceição. Em Campo Maior, teve lugar a transmissão em directo da solene eucaristia, a partir do Convento das Monjas Cocepcionistas, na Angelus TV. A tradicional procissão, pelas 15H30 horas, vai percorrer as principais artérias da vila.
Neste dia de feriado nacional, invoca-se a vida e a virtude de Virgem Maria, mãe de Jesus, concebida sem marca do pecado original. É uma data de grande significado para a Igreja Católica.
Neste dia realiza-se uma festa religiosa que celebra um dogma católico definido como festa universal em 1476 pelo Papa Sisto IV. Pela sua importância, a data é feriado nacional.
Em 25 de Março de 1646, o rei D. João IV organizou uma cerimónia solene, em Vila Viçosa, para agradecer a Nossa Senhora a Restauração da Independência de Portugal em relação a Espanha. Foi até à igreja de Nossa Senhora da Conceição, declarando-a padroeira e rainha de Portugal. Desde este dia, mais nenhum rei português usou coroa na cabeça, privilégio que estaria disponível apenas para a Imaculada Conceição.

Solenidade da Imaculada Conceição com Missa do Convento directo na TV, Procissão e Serenata

Fotos: arquivo Campomaiornews/Joaquim Candeias


A Solenidade da Imaculada Conceição, amanhã dia 8 de Dezembro, em Campo Maior, conta com a realização da Solene Eucaristia transmitida em directo na Angelus TV, pelas 11H00, no Convento das Monjas Concepcionistas de Santa Beatriz da Silva.
À tarde, pelas 15H30 terá lugar a Procissão em honra da Imaculada  Conceição. Mais tarde, pelas 21H00, será levada a efeito a Serenata Orante a Nossa Senhora, através do Grupo Mendigo de Deus.

II edição do "Natal Con'Vida" em Campo Maior tem início amanhã com várias actividades


É já amanhã, dia 8 de Dezembro, que arranca a II edição do Natal Con'Vida, uma iniciativa do Município de Campo Maior.
A partir das 10H00 tem início o Mercado de Natal. O ponto alto deste arranque da época natalícia é a realização do Presépio ao Vivo, a partir das 17H00, no Jardim Municipal. De seguida, pelas 17H30 horas, terá lugar o Concerto de Roncas de Elvas e, pelas 18H00 a iluminação de Natal irá ser acesa.

Notícia relacionada:

PROGRAMA


Em 2019 Campo Maior irá produzir canábis num projecto que ronda cerca de 16 milhões de euros


Uma plantação de canábis medicinal vai surgir no concelho de Campo Maior, num projecto da multinacional canadiense/israelita Sababa.
Em declarações à Campanário, Ricardo Pinheiro, presidente da Câmara Municipal de Campo Maior, explica que a plantação resulta de um investimento de 16 milhões de euros e prevê a criação de cerca de 18 postos de trabalho.
A multinacional procurava terrenos na região mediterrânica, tendo o concelho de Campo Maior passado nos testes de qualidade de água e de terra, para esta cultura que requer “muito sol e de uma qualidade e terra absolutamente extraordinária”.

“É a nova era da agricultura nesta região”

Objectivando-se que a produção esteja a funcionar em pleno em 2019, a criação de mão de obra prevista numa fase inicial é de cerca de “18 postos de trabalho”, já se encontrando 2 pessoas de Elvas e Campo Maior a trabalhar no âmbito da engenharia.

“O objectivo seria que no verão de 2019 conseguíssemos estar já a produzir canábis no concelho de Campo Maior e a poder fazer essa extracção”

O projecto teve início “há 9 meses”, sendo que a empresa já apresentou o projecto para reaproveitamento da estufa existente nos terrenos onde operou a empresa Frutas Guadalupe, e construção de mais 3 hectares de estufas, num total de 4 hectares afectos ao projecto.
Também junto do Infarmed (Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I.P.) se encontra o pedido de licença “poder iniciar o cultivo do canábis medicinal”.
Realçando o carácter medicinal desta plantação, aponta que estudos realizados em Israel demonstraram que os efeitos terapêuticos das substâncias canabinoides sobre a forma de óleo “são de extraordinária importância" no tratamento de "doenças como autismo, epilepsia, como a alzheimer, grande parte do tratamento de diversos tipos de cancro”.
O arranque desta nova cultura no concelho de Campo Maior traz “a possibilidade de olharmos para processos agrícolas que normalmente são tradicionais, mas vão recebendo as inovações, de uma forma completamente diferente”, assim como “posicionar Campo Maior num registo completamente diferente do que aquele que temos trazido aqui, não do ponto vista industrial, mas do ponto de vista agrícola”, conclui.







wef


FEWfe